A LINGUAGEM DO CINEMA | TRAILER, TEASER, SNEAK PEEK E FEATURETTE

Cinema, Series e TV, Variedades| Visitas: : 1356

Trailer, Teaser, Sneak Peek, Featurette, TV Spot, Re-cut Trailer, Book Trailer, Spin-off, Green Band, Yellow Band e Red Band. Se você é uma pessoa que gosta de cinema e séries muito provavelmente, em algum ponto da sua vida cinéfila, você já se deparou com alguma dessas nomenclaturas e se perguntou “qual a diferença entre um Trailer e um Teaser?”, ou mesmo “Sneak Peek? Que porcaria é essa?”, e se já se fez essas perguntas e até hoje não sabe as respostas, esse texto é para você.

A Linguagem do Cinema é uma série de posts esporádicos que faremos no LEPOP para levar “luz” aos amantes da “câmera e ação”. Tá, a piada foi horrível mesmo… Mas a informação é muito boa.

A internet tem sido uma verdadeira mão na roda para os estúdios e produtoras de cinema e séries. Antigamente, a divulgação de novo conteúdo (um novo longa ou uma nova série) se dava por trailers exibidos antes de um dado filme, que muitas vezes não era daquele estúdio que fazia a propaganda. Ou seja, na prática, o estúdio/produtora X pagava para o estúdio/produora Y para exibir seu Trailer, Teaser Trailer ou mesmo um Sneak Peek antes da exibição do filme do estúdio Y. Isso era possível porque a propaganda era impressa no rolo de fita do filme em questão. Logo, se você queria divulgar seu novo trabalho para o público, precisava pagar para seu concorrente exibir seu preview para você, a fim de atingir também o público da concorrência.

rolo-de-fita

Hoje em dia, graças à internet, exibir seu conteúdo antes de um determinado título da concorrência virou uma opção, e não mais uma via de regra. Estúdios, Produtoras e até mesmo Emissoras de TV (aberta ou a cabo) têm canais no YouTube, Vimeo e tantos outros sites de compartilhamento de vídeos onde divulgam seus conteúdos, curiosidades e têm como avaliar a resposta de seu público de forma mais direta. Contudo, a informação que antes era apenas de um estúdio para outro, passou a ser também do público no geral. Antes havia um contrato entre as partes onde A pagava para B exibir uma prévia de seu novo filme em duração média pré-determinada e essa minutagem (total de minutos que compunham aquele preview) interferia diretamente no valor final do contrato. Com isso, o contratante pagava um valor distinto para exibir Trailer, outro valor para um Teaser Trailer, outro valor por um Sneak Peek podendo este ser Green Band  ou Red Band. Tudo isso era informação contratual. Hoje, virou de acesso comum.

Estúdios em geral continuam se valendo dessas características de minutagem para lançar seus vídeos de divulgação, só que de maneira mais solta, sem a necessidade de se prender tanto no cronômetro, até porque é possível produzir Trailers para a internet e outros para o Cinema. Produtoras e Estúdios ainda mantêm certos aspectos de divulgação em seus canais na internet mais como uma maneira de organização. Agora que você já sabe o porquê é hora de entender as particularidades de cada tipo de vídeo-propaganda.

This film image released by Fox Searchlight shows Anthony Hopkins as Alfred Hitchcock in "Hitchcock." (AP Photo/Fox Searchlight, Suzanne Tenner)

This film image released by Fox Searchlight shows Anthony Hopkins as Alfred Hitchcock in “Hitchcock.” (AP Photo/Fox Searchlight, Suzanne Tenner)

TRAILER: também é conhecido como preview. Trailers são propagandas de longas-metragens que serão exibidas futuramente numa sala de cinema (ou via streaming como funciona a Netflix, por exemplo) e, de maneira geral, devem ter no máximo 2 minutos e 30 segundos – embora haja Trailers de maior duração na internet atualmente. “Trailer” é uma das denominações em inglês para “reboque”, isso porque antigamente os trailers eram exibidos após os filmes. Essa prática não durou muito tempo, já que as pessoas saiam das salas de cinema assim que os créditos começavam a subir na tela. Mesmo mudando a posição das propagadas do final para o início da exibição, o termo “trailer” foi mantido. E se você acha que pessoas não gostam de assistir a trailers, sugiro que acesse o canal de algum estúdio famoso e veja a quantidade de views de qualquer um dos trailers daquele canal. Aliás, existem canais no YouTube dedicados exclusivamente a divulgar trailers, canais com uma popularidade tão alta que os estúdios pagam para que seus trailers sejam exibidos lá antes mesmo de serem postados em seus canais oficiais. Um exemplo disso é um canal bastante famoso chamado JoBlo.
Exemplo de Trailer:

 

TEASER TRAILER: bom, pra começar, não há diferença entre “Teaser” e “Teaser Trailer”. São exatamente a mesma coisa. Trata-se de um vídeo curto, com duração variando entre 30 e 60 segundos, podendo ou não ter cenas do filme. Muitas vezes é apenas uma animação do título do longa. Geralmente, como ações de marketing, Tasers são exibidos um ano ou um ano e meio antes do filme, como um “aperitivo” para a audiência. Muitas vezes são exibidos enquanto o filme ainda está em pós-produção ou mesmo enquanto ainda está sendo gravado. Por esse motivo, é comum ver diferenças estruturais (efeitos, falas, iluminação) entre uma mesma cena que é exibida num Teaser e posteriormente num Trailer.
Exemplo de Teaser:

 

SNEAK PEEK: “espiadinha” (ou como dizia meu pai “uma bizoiada”) seria uma tradução livre para “sneak peek”. Trata-se de vídeos realmente curtos. No máximo 30 segundos. Esses vídeos, de maneira geral, são liberados pelos estúdios antes dos Teaser – muitas vezes “vazados” na internet para deixar os fãs mais curiosos. Pode ser uma apresentação de um episódio inédito ou um pequeno trailer com imagens do filme.
Exemplo Sneak Peek:

 

FEATURETTE: trata-se de um vídeo de curta ou média duração que mescla cenas do filme e dos bastidores do mesmo (entrevista com o elenco, produção, cenas das filmagens, curiosidades sobre os efeitos especiais, figurino, cenografia e muito mais). Featurette não são exibidos no cinema, são divulgados na internet e também compõem o conteúdo de extras que integram os DVDs e Blu-Rays. São mais conhecidos como pequenos documentários sobre o filme ou série.
Exemplo de Featurette:

 

TV SPOT: TV Spots são trailers ou teasers feitos especialmente para televisão (embora sejam também exibidos na internet). São ações de marketing das séries e filmes para atrair o público.
Exemplo de TV Spot:

 

RE-CUT TRAILER: Re-cut trailer não são feitos por estúdios ou produtoras que estão lançando seus filmes ou séries. São produções feitas por fãs. No geral são reedições dos filmes (ou mesmo trailers) ou redublagens dos personagens de um determinado trailer, ou ainda redublagens da locução de um filme. Há um canal muito famoso no YouTube chamado Trailer Honesto Brasil – que na verdade é uma parceria com o canal Screen Junkies que faz locução dos trailers de forma cômica mostrando os erros na história e na produção. O Trailer Honesto Brasil apenas legenda os vídeos do Screen Junkies.
Exemplo de Re-Cut Trailer:

 

BOOK TRAILER: trata-se, como o nome já sugere, de um anúncio em vídeo para um livro, com técnicas semelhantes às de trailers de filmes. Geralmente são exibidos na televisão ou na internet. É comumente usado por empresas de cunho religioso quando querem divulgar um novo livro.
Exemplo de Book Trailer:

 

SPIN-OFF: “derivado” seria a tradução mais apropriada para o termo. Trata-se de algo derivado de um material original. O termo se refere a uma franquia que é criada a partir de outra, geralmente de grande sucesso, pode se referir também a títulos da mesma franquia, mas com histórias ou até personagens diferentes, podem inclusive não ter uma relação direta entre si. Games derivados de grandes franquias do cinema são ótimo exemplo de spin-offs. Outro exemplo é a série Angel, que derivou da clássica Buffy – A Caça Vampiros, e Rogue One: Uma História Star Wars também é um spin-off de Star Wars.
Abaixo segue um vídeo com 10 exemplos de Spin-Off:

 

Green Band, Yellow Band e Red Band são expressões referentes a censura. São classificadores. Nos EUA existe o MPAA (Motion Picture Association of America film rating system), um sistema de classificação de trailers que atua com três categorias, as faixas verde, amarela e vermelha.

Sabe aquela tela, mais comumente verde, que aparece antes dos trailers que você assiste? Pois é.

green-band-trailer red-band-trailer yellow-band-trailer

GREEN BAND: indica que o trailer é classificado como “adequado” ao cinema com base no conteúdo do filme. Até abril de 2009, a categoria Green Band indicava que o filme era aprovado para “Todos os Públicos” e seguia as normas para publicidade cinematográfica – como restrição de linguagem, violência sexual ou imagens repulsivas.
Exemplo de Green Band Trailer:

 

YELLOW BAND: indica que o trailer é classificado como “apenas para usuários da internet em idade apropriada”. Geralmente contém cenas de nudez ou violência. Um exemplo clássico de Yellow Band é o trailer de Halloween, dirigido por Rob Zombie.
Exemplo de Yellow Band Trailer:

 

RED BAND: indica que o trailer é classificado como “restrito” ou “maduro”.  Antes de sua exibição, é mostrado o aviso “R-Rated”, o que quer dizer que o material apresentado naquele trailer pode conter nudez, violência explícita, palavrões, consumo de drogas ou outro material considerado impróprio para crianças.
Exemplo de Red Band Trailer:

 

E por hoje é só. Agora você já sabe das particularidades de certos termos.

No próximo A Linguagem do Cinema, abordaremos os tipos de filmagens. Até lá.

Gostou da informação? Então compartilhe com seus amigos e não deixe de se inscrever em nosso canal do YouTube, curtir nossa página no Facebook, seguir a gente no Twitter. E, claro, deixar aquele joinha e comentar.

Compartilhe: