MULHER-MARAVILHA | DESVENDANDO A TRILHA SONORA

Cinema, Variedades| Visitas: : 212

Na crítica que fiz sobre MULHER-MARAVILHA, havia prometido um texto detalhado sobre as particularidades da trilha sonora do filme de uma das heroínas mais icônicas da DC Comics e o que faz dessa trilha algo tão impactante. Pois bem, bora lá.

Mulher-Maravilha-Wonder-Woman-Gal-Gadot-Amazonas-Temiscira-lepop

 

DA HISTÓRIA POR TRÁS DO TEMA

Como dito na crítica, o compositor Hans Zimmer, em entrevista, disse que queria compor algo diferente para a trilha de Mulher-Maravilha (ainda em Batman vs Superman). Zimmer queria que fosse algo único, impactante, forte, mas que ao mesmo tempo fosse feminino, “que, de certa forma, soasse como o grito de uma Banshee”, como disse Zimmer em entrevista.

Banshee é o nome dado a uma entidade feminina da mitologia celta, também conhecida como Bean Nighe.

As Banshees são seres da família das fadas, a forma mais obscura das mesmas. Consideradas como mensageiras da morte. Possuem um grito melancólico e estridente que pode ser ouvido a quilômetros de distância, capaz de estourar um crânio.

Banshee-Mulher-Maravilha-LEPOP

Banshee | Art by Jeremy Varner

Especialmente para dar a aura feminina da música, Zimmer enfatizou que queria a composição executada por uma mulher, ou mulheres. Então, durante o processo de composição de Is She With You?, trilha tema da Mulher-Maravilha, Hans Zimmer e Junkie XL tentaram de tudo para dar vida ao tal grito de uma Banshee. Tentaram corais femininos, grandes cantoras, musicistas dos mais variados e inusitados instrumentos, mas nada parecia casar com o que Zimmer tinha em mente. Foi então que o compositor pensou em convidar sua amiga, a violoncelista Tina Guo. Não podia ter dado mais certo do que isso.

 

TINA GUO

Tina Guo é uma violoncelista virtuosa, extremamente talentosa, indicada ao Grammy, reconhecida internacionalmente, atuando tanto em gravações como em composições de músicas dos mais variados gêneros, sendo amplamente solicitada como solista para gravações de trilhas para Blockbusters, séries de TV e games. Além de participações em apresentações das mais diversas orquestras dos mais variados lugares do mundo como a San Diego Symphony, State of Mexico National Symphony, Thessaloniki State Symphony, na Grécia, Orquestra Petrobras Sinfônica e a Vancouver Island Symphonyd. E não para por aí. Tina já trabalhou para comerciais de empresas como Mazda, Apple e United Airlines e já foi a solista da turnê Michael Jackson The Immortal (2011-2013) com o Cirque Du Soleil.

Tina-Guo-Mulher-Maravilha-Wonder-Woman-LEPOP

No cinema, Tina Guo pode ser ouvida em Sherlock Holmes, Homem de Ferro 2, Batman vs Superman, Piratas do Caribe 5, Fúria de Titãs, Se Beber Não Case 2, Zé Colmeia: O Filme, Kung-Fu Panda 3, Hancock, A Batalha de Los Angeles, X-Men: Primeira Classe, dentre outros. Nas séries, Tina contribuiu nas trilhas de CSI: NY, The Mentalist, Vikings, The Borgias, Sleepy Hollow, Dominio, My Little Pony, Family Guy, American Dead, Iron Chef, dentre outras.  E nos games podemos ouvir as cordas de Tina em títulos como Diablo III, Hearthstone, Call of Duty: Black Ops II, Call of Duty: Black Ops III, Assassin’s Creed Syndicate, Journey dentre outros.

Como podemos ver, Tina tem um longo histórico contribuindo musicalmente na cultura pop. Contudo, não foi por esse motivo que Zimmer a convidou para participar de mais esse projeto. Nas palavras do próprio Zimmer “quando você a conhece é uma das pessoas mais educadas, articuladas, feminina, doce… Doce é a palavra mais apropriada pra descrever Tina. Então, quando ela toca seu violoncelo, quando ela segura seu cello, é como se segurasse uma espada. E tudo muda. Ela maneja o cello como se fosse uma arma”.

 

IS SHE WITH YOU?

Agora que sabe toda a história por trás da composição, finalmente é hora de entender o motivo de Is She With You? soar tão familiar, impactante e ao mesmo tempo épico aos nossos ouvidos.

No vídeo da entrevista dada por Zimmer e XL, Zimmer enfatiza “tentamos todo tipo de clichê (…)”. Esse é o ponto crucial do segredo por trás do tema. Ele não disse “nós tentamos de tudo”, mas sim “nós tentamos todo tipo de clichê”. Zimmer e XL não queriam algo “novo”, mas algo que soasse familiar. Que estivesse relacionado a algo que já ouvimos antes. E de onde essa inspiração veio é que mostra a genialidade dessa dupla.

Pra entender a escolha do clichê é necessário olhar a partitura.

Is She With You - Partitura - LEPOP

Is She With You? tem um tema bem simples, composto basicamente do arpejo de dois acordes: Mi menor (Em) e Mi diminuto (Edim). Aos que não são músicos, podem ficar sossegados porque não vou entrar em tecnicidades musicais.

Estes acordes têm apenas uma nota que os difere em suas tríades. No acorde de Mi menor temos as notas Mi, Sol e Si, enquanto que no acorde Mi diminuto temos Mi, Sol e Si bemol. Essa pequena diferença de meio tom entre o Si e o Si bemol gera um efeito chamado dissonância e causa tensão, até que a nota Si entre novamente em cena causando o que chamado de resolução. Isso acaba com a sensação de tensão e traz uma sensação de relaxamento aos ouvidos.

 

Sabendo disso é muito mais fácil identificar de onde Zimmer e XL tiraram a ideia. E a ideia não veio de outro lugar senão das notas de Immigrant Song do Led Zeppelin, onde Robert Plant usa a mesma técnica de dissonância quando sua voz ecoa do quarto para o quinto compasso da canção. Sim, em outra tonalidade, mas com o mesmo intervalo de meio tom, agora entre um Dó sustenido e um . É por isso que nos soa tão familiar.

Immigrant Song - Partitura - LEPOP

De fato, Jimmy Page e Robert Plant não criaram algo inteiramente novo. A música clássica já trabalha com esse tipo de intervalo há séculos. A questão apontada aqui é que a sonoridade apresentada pelo Led Zeppelin em Immigrant Song ficou tão conhecida e foi tão difundida na cultura pop que é muito mais fácil se lembrar do vocal de Plant do que das cordas de Mozart, Chopin ou Debussy.

É interessante observar como ao longo dos anos o grito de Plant foi assimilado, na cultura pop, tanto a um estado de furor quanto a personagens femininas icônicas. Por isso o tema de Zimmer e XL casa tão bem com a proposta de Mulher-Maravilha. E também:

Vemos Immigrant Song sendo usada no Teaser de Thor: Ragnarök, onde o deus do trovão trava um embate com a deusa da morte, Hela:

 

No Trailer da versão de David Fincher de Millenium: Os Homens Que Não Amavam as Mulheres:

 

Ouvimos Immigrant Song inclusive em Shrek III, quando Branca de Neve usa seu canto para convocar os animais da floresta para irem pra cima das árvores que cuidam do castelo, abrindo passagem para as princesas:

A ideia de Dissonância e Resolução é muito usada no cinema, de maneira geral. Isso ajuda a criar um clima onde se espera pela solução de algo na cena, ou no contexto da mesma. Isso prende a atenção do espectador e o carrega pela cena toda. Contudo, Is She With You? não tem a intenção de trazer tensão para a cena. Zimmer e XL queriam algo heroico, épico. “Grito de Banshee”, lembra? Pois é. Tanto em Batman vs Superman quanto em Mulher-Maravilha, quando Diana entra em cena e você ouve as cordas do cello de Tina Guo a única sensação que se tem é a empolgação ao vociferar um “Eita porra! Fodeu…”.

Em Batman vs Superman, Diana já era uma guerreira bem estabelecida, calejada de batalhas. Ela mesma confirma isso quando diz “eu já metei coisas de outros mundos”. Por esse motivo, o compositor Rupert Gregson-Williams não usou o “grito da Banshee” antes de uma hora e dezessete minutos de filme rodado em Mulher-Maravilha. Williams queria construir toda uma atmosfera de descoberta e amadurecimento de Diana ao longo da trama. Somente quando Diana, na batalha na Terra de Ninguém, adentra o edifício aonde os alemães estão e parte para o combate direto com eles é que o grito da Banshee ecoa novamente das cordas do violoncelo de Tina Guo e então vemos Diana realmente entendendo o peso de uma guerra.

Como disse na crítica, isso foi uma sacada de gênio.

 

DETALHES E MAIS DETALHES

Composição de trilhas e temas para cinema e séries é algo que é repleto de pequenos detalhes, alusões, insinuações… Muitas das vezes percebemos logo de cara, outras, no entanto, só percebemos após algum tempo.

A magia das composições está justamente no detalhe dos detalhes. Nas pequenas citações, nos pormenores… Como é o caso do clipe que Tina Guo gravou para Is She With You?. Dentre as várias curiosidades espalhadas pelo clipe, duas chamam a atenção de pronto.

A primeira é a escolha das cores para compor a paleta utilizada para o Color Grading do vídeo: azul e vermelho, que são as cores do uniforme da Mulher-Maravilha.

A segunda está no barro que Tina passa sobre o corpo nas filmagens, aludindo à criação de Diana, que foi moldada do barro por Hippolyta.

Tina-Guo-2-Mulher-Maravilha-Wonder-Woman-LEPOP

Tina-Guo-3-Mulher-Maravilha-Wonder-Woman-LEPOP

E os detalhes não param por aí. Como Batman vs Superman foi diversas vezes citado neste texto, achei por bem compartilhar o processo de composição de Junkie XL para a trilha que compõe a cena da luta entre os heróis.

No vídeo, em inglês, Junkie detalha seu processo criativo, e mostra todos os detalhes que fazem parte da obra. Vale muito a pena conferir.

Ainda falando em Junkie XL, quero aproveitar pra compartilhar mais uma obra fantástica desse compositor incrível. Saindo um pouco do escopo da DC Comics, e adentrando no universo distópico de Mad Max: Estrada da Fúria.

Abaixo, segue o vídeo de Junkie XL comentando sobre o processo de criação de Many Mothers, uma das mais bonitas trilhas que compõe o soundtrack de Mad Max: Estrada da Fúria e que traz uma carga emocional muito profunda com a personagem Furiosa. Confira:

 

Bom, eu vou ficando por aqui e espero que você tenha gostado da leitura e de desvendar os segredos da trilha sonora do filme da Mulher-Maravilha.

A gente se vê num próximo texto.

Gostou? Então compartilhe com seus amigos e não deixe de se inscrever em nosso canal do YouTube, curtir nossa página no Facebook, seguir a gente no Twitter. E, claro, deixar aquele joinha e comentar.

Compartilhe: