SÉRIE SOULS | O POR QUE DE TANTO SUCESSO?

Games, Variedades| Visitas: : 546

Hoje estamos aqui pra conversar um pouco sobre os jogos da série Souls que engloba os títulos: Demon’s Souls, Dark Souls, Dark Souls II e Dark Souls III; e o porque de terem feito tanto sucesso.

Souls Series - lepop

And again, and again…

Para quem não conhece (ou não se lembra), a série Souls teve início em 2009, com o lançamento de Demon’s Souls para o Playstation 3, console mais atual da Sony na época. Sob a produção da From Software e distribuição de grandes empresas como a Sony Computer Entertainment e a Namco Bandai, com direção de Hidetaka Miyazaki, que após essa saga viria a ser extremamente prestigiado.

O jogo foi super bem recebido já em sua primeira semana no Japão, onde vendeu logo de início mais de 40 mil cópias, e a “inovação” do game lhe rendeu ótimas críticas nos mais diversos sites, alcançando o índice de 90 no Metacritic, o que é considerado uma nota de “aclamação universal” no caso de games.

Demon's Souls - lepop

Mas por que tamanho sucesso?

A grande “sacada” de Miyazaki foi decidir que a série Souls seria feita aos moldes dos jogos mais antigos de plataforma, quase sem saves onde se você perdesse, retornaria ao início da fase, deixando para trás tudo que havia sido conquistado com tempo e dedicação (e isso doía viu…).

E além de sua dificuldade nada agradável, ainda tínhamos que descobrir o que fazer na base da “tentativa e erro”, já que os jogos possuem pouquíssimos diálogos e não existem quests explícitas durante a jogatina.

Eu mesmo só consegui seguir jogando depois de algumas bisbilhotadas no Youtube.

Bonfire - Dark Souls - lepop

Bonfires, são alguns dos poucos “save points” dos jogos

Ok, então o jogo foi inovador por fazer coisas “antigas”, e ainda assim conquistou uma legião de fãs?

Ah… Sim, a não ser que você seja um casul (piada pra quem já jogou qualquer game da série), o jogo conseguiu ao menos te fazer continuar jogando na base do amor ou do ódio, seja porque os cenários sempre muito bem construídos lhe encantaram, ou mesmo a temática da obra que é espetacular te prendeu nesse “mundo fantástico” (como qualquer bom mundo de RPG), ou então porque você já morreu trocentas vezes (igual nosso amigo Carlo Barbagalo nas gameplays de Nioh) pro mesmo boss e quer se vingar do maldito “João sem braço” Artor… Ok, você entendeu.

Artorias - Dark Souls - lepop

Ah… Como eu te odeio cara

E para listar de maneira mais direta e clara, vamos lá:

Pontos “inovadores” e positivos da Série Souls

  • O sistema de “souls”, e a chance de perder tudo.

    Seja por deslizes nossos durante a jogatina, ou mesmo por pura sacanagem do jogo (o que eu acho mais sensato de culpar por minhas inúmeras mortes) a realidade é só uma: você vai morrer em todos os cenários e de todas as maneiras possíveis, diversas vezes por sinal. E o pior? Tudo que você acumulou até ali só tem uma chance de ser recuperado. Querendo ou não isso dá uma emoção e tensão muito maior e acaba por criar um vínculo melhor entre o player e o game.

 

  • Mapas todos conectados, e a possibilidade de decidir sua jornada.

    Ao melhor estilo Castlevania: Symphony of the Night, temos mapas extremamente bem conectados, que foram construídos com perfeição no quesito de coerência e inovação. A cada ambiente novo e retorno a cenários anteriores você se percebe em meio a um emaranhado de trilhas que conectam quase tudo a um mesmo local. Como os jogos não possuem mapa e nenhuma sequência exata do que deve ser feito, cabe a você explorar e decidir como seguir sua jornada.

Dark Souls Map - lepop

Esse é o seu “labirinto” em Dark Souls I

 

  • Um sistema simplificado de level upshopping.

    Apesar dos jogos da série Souls não possuírem cenários como cidades e “portos seguros” cheios de npc’s para atividades mercantes, esse lado ainda existe no jogo, diversos personagens interessantes podem ser conhecidos durante sua saga, e vários deles tem algo a lhe oferecer em troca das souls (tá começando a entender da onde veio o nome da saga né?), essas mesmas que também são utilizadas para upar seu personagem em status específicos afim de aprimorá-los. Ou seja, simplesmente administre-as bem ou continue morrendo por mais um bom tempo.

Dark Souls - lepop

Almas servem pra tudo

 

  • Os cenários imersivos e a trilha sonora tocante.

    Sejam nos esgotos, nas terras de Lost Izalith, na estranha Majula, ou mesmo na “sagrada” Firelink Shrine, o que temos em comum entre eles, e todos outros mapas da série, é: apesar de gráficos não serem tão lindos quanto dos jogos da mesma época, a série Souls nos cativa pela maneira qual eles são feitos, de forma concisa e que conseguem transmitir exatamente a sensação de estar naquele local. Claro que para toda imersão, não podemos esquecer de um fator que favorece essa obra de arte, a trilha sonora dos games é praticamente toda orquestrada, e adicionada aos cenários na intensidade e volumes certos.

Conclusão?

Simples, a saga fez sucesso por apostar no que ninguém mais quis investir (ou ninguém mais acreditou que daria certo), e por reviver esse saudosismo de players de gerações mais antigas, trouxe de volta uma comunidade há muito afastada de games desse gênero e estilo.

A Série Souls como um todo é uma grande obra de arte, com seus mistérios e ambientações únicas, e apesar de serem jogos com premissas inicialmente single-player (e tendo modos multiplayers) tiveram – e ainda tem – uma grande comunidade que busca desvendar os enigmas dessa lore fantástica até hoje.

Enfim, se você nunca jogou nenhum Souls, vá lá e divirta-se querendo destruir seu console/PC. Saiba que a gratificação por finalizar esses jogos vai ser bem maior do que a grande maioria que você já concluiu, e fica a dica: “Quem toma Estus em pvp boa gente não é”.

Dark Souls - Knight Solaire - lepop

E não podia faltar o queridíssimo Solaire! Praise the Sun!

Gostou da matéria? Então compartilhe com seus amigos e não deixe de se inscrever em nosso canal do YouTube, curtir nossa página no Facebook, seguir a gente no Twitter. E, claro, deixar aquele joinha e comentar.

Compartilhe:
  • Leonardo Favaretto

    Hahahahah Carlão mencionado no post por seus Walkthrough de Nioh! Hahahahahahahahahaha