IT: A COISA | CRÍTICA

Cinema| Visitas: : 202

Um exemplar do medo, não recheado de jump scares, mas sim honrando o temor e a ansiedade de uma grande obra de Stephen King“It: A Coisa” nos transporta para um mundo factível. E nos propicia durante seus 135 minutos uma grande leva de emoções, com momentos bem encaixados de um tipo de humor que te remete à infância, da mesma forma que o terror te atinge mesmo quando adulto durante todo o longa.

It: A Coisa nos traz uma nova adaptação cinematográfica de um dos mais clássicos livros do Rei do Terror It: Uma Obra-Prima do Medo, e faz jus ao nome da obra em que se baseia.

It: A Coisa - lepop

Sob a direção de Andrés Muschietti o filme consegue cumprir uma série de objetivos que parecem impossíveis ao se lembrar da complexidade da obra de King. Com 7 personagens de personalidades distintas para serem apresentados, o palhaço Pennywise a ser desenvolvido, um mistério sobre desaparecimentos a ser articulado – e o acaso dos adultos quanto a isso; além das justificativas plausíveis sobre o bullying na escola e o envolvimento amoroso de alguns personagens, mas incrivelmente tudo caminha de forma natural a um nó que mantém o público crédulo de que naquele mundo tudo foi bem explicado e desenvolvido. (Tudo isso em 2 horas corridas de tempo de tela!)

It: A Coisa - lepop

“Manhêêê! a pia tá entupida!”

A trama caminha com leveza, e durante algumas das cenas de maior tensão e emoção, somos presenteados com sacadas humorísticas que nos rendem gargalhadas que literalmente “quebram o gelo” e acalmam os ânimos, para prosseguir mais uma vez a uma escalada de tensão, cena a cena, diálogo após diálogo.

O ambiente que ao pouco se monta no entorno dos personagens – que é ainda mais acentuado pela trilha sonora de Benjamin Wallfisch mexendo com nossas emoções em diversos momentos – parece levar claramente a um “fim de novela”, parcialmente trágico e previsível, mas mesmo assim a função de prender tua atenção ocorre com maestria.

It: A Coisa - lepop

“Ora num extremo realista, ora em um ápice de loucura fantasiosa”,

It: A Coisa pode ser visto dessa maneira tanto em sua forma cinematográfica, quanto na insanidade escancarada de PennywiseBill Skarsgård surpreende com a ótima atuação, misturando a loucura e a sedução infantil, obtendo um néctar para crianças serem enganadas na pequena e interiorana Derry.

Ao somar em doses razoáveis o carisma de um palhaço à perversão de um assassino, temos na tela o vilão perfeito para o filme. E por mais que em algumas vezes pareça irreal, ao partir para seus ataques se prova muito mais mortífero do que o imaginado.

It: A Coisa - lepop

“Não pareço real o suficiente?”

A grande amostra do ideal do filme se baseia no fato da sintetização de todos os medos em cima da imagem do vilão, e apesar de cada um dos personagens ter criações e vidas diferentes, todos tem algo em comum: o medo em relação a situação ou à sociedade em que vivem. Nesse ambiente o Palhaço absorve também a personificação de que esse mundo é cinza, e nunca irá melhorar, a podridão da sociedade é causada por ela mesma e por mais que seja vencido, o pesadelo pode nunca acabar.

Constatação essa que pode ser notada nas cenas com as crianças e seus respectivos pais, todas manchadas com “erros de criação” e permissividades que beiram o absurdo para os anos 80, porém são palpáveis até mesmo no mundo em que vivemos atualmente.

It: A Coisa - lepop

O Clube dos Perdedores ( que foi traduzido como “Otários” por algum motivo…)

No mais, as atuações como um todo surpreendem, e o foco maior dado à Beverly Marsh (Sophia Lillis) também auxilia a trama a desenvolver-se mais do que sua versão dos anos 90 (It: Uma Obra-Prima do Medo, homônima ao livro).

It: A Coisa nos entrega em doses perfeitas o que era esperado por quem já leu a obra, porém decepciona aqueles que aguardavam algo mais gore (e a esses só posso dizer, “vão assistir Jogos Mortais”) com cenas repletas de sangue e carne. O longa se vale em cima da trama bem construída e dos belos diálogos que remetem o telespectador de volta aos anos 80, não tão saudosa quanto Stranger Things é, mas mais fácil de se crer, e até mais cativante.

veredito - It: A Coisa - lepop

FICHA TÉCNICA

Título Original: It: A Coisa;

Lançamento: 07 de Setembro de 2017;

Direção: Andrés Muschietti;

Roteiristas: Cary FukunagaGary Dauberman;

Música: Benjamin Wallfisch;

It: Uma Obra-Prima do Medo é uma obra de Stephen King;

Elenco: Bill Skarsgård, Jaeden Lieberher, Finn Wolfhard, Jack Dylan Grazer, Sophia Lillis, Jeremy Ray Taylor, Wyatt Oleff, Chosen Jacobs, Nicholas Hamilton, Owen Teague, Jackson Robert Scott, Stephen Bogaert, Steven Williams, Ari Cohen, Megan Charpentier, Javier Botet.

Gostou da crítica? Então compartilhe com seus amigos e não deixe de se inscrever em nosso canal do YouTube, curtir nossa página no Facebook, seguir a gente no Twitter. E, claro, deixar aquele joinha e comentar.

Aproveite também pra ler outras das nossas críticas.

Compartilhe: