LE|POP
A-PROFISSIONAL-BANNER-MAGGIE-Q-CRITICA-LEPOP

A PROFISSIONAL | CRÍTICA

Anna é uma mulher que teve uma infância nada feliz. Viu os pais serem assassinados bem diante de seus olhos e tão logo teve de aprender a matar para poder viver. É nesse caminho de morte e dor que Moody entra na vida de Anna, a resgata do Vietnã dos anos 90 e dá a ela um novo propósito de vida: aproveitar a raiva e dor para virar uma assassina profissional. Ela assim o faz. Com o passar do tempo, Moddy vira uma figura paterna para Anna e a relação entre eles cresce e se fortalece, até que um dia um trabalho mal resolvido do passado de Moody volta à tona e o mata. Agora, Anna está em busca de respostas e vingança pela morte do mentor e melhor amigo, mesmo que esta busca lhe custe a própria vida. Este é o Plot de A PROFISSIONAL, drama de ação estrelado por Maggie Q, Samuel L. Jackson e Michael Keaton que estreia hoje nos cinemas nacionais.

A PROFISSIONAL é uma história sobre amizade, vingança e redenção, que usa a Ação como pano de fundo, e o Drama como ponte para entregar ao espectador uma narrativa muito efetiva que combina ambos os gêneros muito, mas muito bem.

Alguns podem alegar que A PROFISSIONAL tem pouca ação para o gênero, mas quando se analisa a proposta do longa, percebe-se que este nunca foi o foco principal, e sim a história de uma criança que só sobreviveu graças à violência, cresceu em meio à violência, fez da violência seu ganha pão e, por mais que não queira mais sujar as mãos, não sabe como sair desse ambiente.

É uma trama comovente e bonita, não acha? Pois é. Só que ela tem dois problemas. Sim, dois. Esse parágrafo anterior inteiro que você leu e entendeu aqui, não está lá tão claro assim no filme, especialmente a última parte do parágrafo. Justamente por isso, quando essas mensagens vêm de encontro ao público, a informação que Anna quer sair dessa vida de morte e dor e obter paz, o resultado é uma confusão na cabeça de quem assiste.

Ficou sem entender, né? Calma que nesta crítica você vai compreender os problemas e a confusão que os mesmos causam, só que para isso eu preciso te dar um spoiler que não vai para a nossa costumeira Zona de Spoilers. Este, precisa ser dito aqui se quiser entender o que faltou em A PROFISSIONAL para ser uma história ainda melhor. Mas não se preocupe, porque é um spoiler pequeno e, de certa forma, “bobo”. Garanto que não vai estragar sua experiência. Além do mais, este filme vai valer cada instante da sua atenção no cinema, mesmo não sendo perfeito.

Nesta crítica vamos abordar os pontos altos e baixos de A PROFISSIONAL e discorrer como uma história com uma premissa “batida” sobre vingança, amizade e redenção é capaz de entregar ao público uma protagonista realmente forte – e o melhor, sem proselitismo político-ideológico.

Como de costume, o texto a seguir não contém quantidade significativa de spoilers.

A-PROFISSIONAL-POSTER-MAGGIE-Q-CRITICA-LEPOP

O DINHEIRO TÁ ALI. QUER CONTAR?

O que acontece quando se tem, no mesmo projeto, o diretor de 007: CASSINO ROYALE, o roteirista de O PROTETOR, e no elenco o Batman, Nick Fury, Nikita e, de quebra, o compositor das trilhas musicais de Animatrix?  A resposta é A PROFISSIONAL. E isso é um baita elogio, porque resultou em uma trama muito boa, com um ritmo envolvente.

Claro, A PROFISSIONAL não é uma narrativa perfeita, algumas vezes o roteiro favorece a protagonista com algumas soluções mirabolantes de última hora, de modo forçado aliás, mas ainda assim consegue contornar estes entraves e garantir uma diversão muito boa aos espectadores.

É curioso, e até engraçado, como Hollywood tenta a todo custo apelar para enredos espalhafatosos, cheios de pirotecnias e apelos, quando na verdade o básico, o tão falado “arroz com feijão”, é sempre o que entrega os melhores resultados. Pode até ser que A PROFISSIONAL não venha a ter uma bilheteria muito expressiva, mas a nível de Storytelling é muito superior a muitos Blockbusters atuais – mesmo com os deslizes que apresenta.

A simplicidade de A PROFISSIONAL é também sua maior força, porque dá espaço para que os personagens se desenvolvam, evoluam, aprendam, se adaptem, mudem, completando seu ciclo. Bem como dá espaço para que os atores tornem toda essa transição tangível.

Em outras palavras, A PROFISSIONAL tem a seu favor não só um corpo de atores bastante experientes, como um roteiro que dá o devido espaço para que estes atores possam explorar muito bem as personalidades de seus personagens. Esse equilíbrio é, de fato, o que prende a atenção de quem assiste.

A-PROFISSIONAL-CRITICA-3-LEPOP

OLÁ, VOCÊ FEZ TUDO ISSO?

Maggie Q, que ficou mais conhecida por seus papeis em películas de ação, retorna ao gênero com um reforço muito interessante, nos bastidores, para dar ainda mais veracidade a sua atuação em A PROFISSIONAL: Foi treinada por ninguém menos que Jackie Chan para dar vida a Anna, a assassina profissional que protagoniza a história.

A parceria de Maggie e Chan foi muito frutífera. As cenas de Maggie são muito bem coreografadas e ela utilizou dublês pouquíssimas vezes. O resultado são lutas palpáveis, viscerais e perseguições de tirar o fôlego.

Mas o grande acerto de Maggie em sua personagem é que mesmo sendo porradeira, não deixa de ser feminina. Vindo na contramão das grandes produções hollywoodianas da atualidade, que masculinizam as mulheres em um claro apelo a agenda progressista.

A personagem de Maggie não tem sua feminilidade como “fraqueza”, mas como ponto forte. O problema é que em certos momentos, o roteiro de Richard Wenk entrega soluções mirabolantes, de última hora, para que Anna saia de situações extremas da forma mais inacreditável, com Payoffs que não tiveram Setups, por exemplo, e com alguns apelos que não cooperam em absolutamente nada para a Suspensão de Descrença.

Isso é um problema porque Anna é uma personagem muito bem estruturada, de modo geral, e com essas facilitações convenientes de roteirização, Anna acaba sendo minimizada. É quase como se Wenk tivesse ficado empolgado pelas situações difíceis que criou para Anna e não soubesse como tirá-la sem apelar para algum tipo de Deus Ex Machina.

Qual a finalidade de criar uma personagem forte, corajosa e bem resolvida, se você precisa, vez ou outra, facilitar soluções esdrúxulas para livrá-la do perigo?

A-PROFISSIONAL-CRITICA-2-LEPOP

BERETTA 93. NORMALMENTE CONFIÁVEL. MELHOR IRMOS AGORA. VAMOS.

Apesar de A PROFISSIONAL ser um filme muito bom, com ótimas atuações, enredo envolvente e imersivo, personagens tangíveis e nada caricatos, não é uma obra perfeita – como já foi dito anteriormente.

Há o uso de Deus Ex Machina em alguns momentos, mas este não é o maior problema de A PROFISSIONAL. O maior problema é a vontade de Anna de “sair dessa vida”. Lembra do spoiler que mencionei no começo do texto? Pois bem, aí vai:

No Terceiro Ato, numa cena bastante tocante, Anna fala para um determinado personagem “Estou cansada. Eu quero paz”. Pronto, este é o spoiler. E por qual motivo isso é um ponto negativo? É um entrave narrativo porque em momento algum dos 109 minutos de A PROFISSIONAL é sequer estabelecido que Anna busca por paz. Novamente, em momento algum.

Durante toda a trama, nós vemos Anna expressar sua dor por ter perdido sua família quando criança, vemos seu relacionamento com Moody, vemos como sua vida foi destruída pelo que ocorreu em sua infância, acompanhamos seu dia a dia em sua livraria, vamos Moody dizer que quer se aposentar. Mas em nenhum momento o roteiro nos mostra Anna sequer expressando a menor vontade de sair dessa vida. Não a vemos tocar no assunto, não a vemos projetar um futuro diferente, não a vemos buscando novos interesses, não a vemos, ativamente, querendo mudar de vida. Pelo contrário, vamos Moody dizer que comprou o prédio da livraria dela para que ela tenha algo próprio quando ele se aposentar. Mas ela mesma, pelas próprias mãos, não vai atrás de absolutamente nada que possa dar indícios de que quer sair dessa vida de morte e dor.

Ou seja, o script de A PROFISSIONAL TE DIZ que Anna quer sair dessa vida e ter paz, mas em momento algum TE MOSTRA ela buscando essa saída pelas próprias mãos.

O que a narrativa faz é demonstrar que Anna sofreu, construiu sua força através do sofrimento, teve sua vingança contra aqueles que mataram seus pais, mas sua vingança não lhe trouxe paz. Quer dizer, é a oportunidade perfeita para desenvolver uma história sobre uma mulher que busca pela paz, só que em vez disso o longa ruma na direção oposta. E quando Anna, no Terceiro Ato, diz que está cansada e quer paz, isso soa confuso ao espectador, porque essa é uma informação que nunca foi estabelecida em A PROFISSIONAL. Uma pena, pois se em algum momento isso tivesse sido estabelecido, seria a cereja do bolo.

A-PROFISSIONAL-CRITICA-1-LEPOP

ME ENGANEI COMPLETAMENTE A SEU RESPEITO.

O outro problema, que vem nessa mesma linha, é que por “ter paz”, Anna quer dizer “morrer”. Só que, novamente, em momento algum de A PROFISSIONAL é estabelecido que Anna busca por esse tipo de “paz”, de “redenção”, de “compensação por seus pecados”.

Outra vez, você observa Anna cuidar de sua saúde, com exercícios, alimentação equilibrada, cuida de seu intelecto com boa leitura, tem uma boa casa em um bairro bom de Londres, tem até um gato de estimação. Quem que está querendo “paz” (leia-se “morrer”) e tem um negócio próprio, milhões de euros na conta, uma casa em um bairro bom e um bicho de estimação?

É outra informação que quando vem ao público soa confusa e destoa totalmente de tudo o que havia sido estabelecido antes. Pior, não é nem um Plot Twist nem uma Reversão. É um erro na direção do roteiro mesmo.

Se A PROFISSIONAL quisesse dar qualquer indício (como deveria) de que Anna busca este tipo de “aposentadoria”, isso teria de ser estabelecido logo ao início do filme. Em vez de mostrar a casa limpa e arrumada num bairro de classe média, que mostrasse um muquifo sujo e bagunçado em alguma periferia bastante perigosa. Em vez de mostrar sua rotina de exercícios e alimentação saudável, que mostrasse o desleixo de uma geladeira vazia e suja, com pouquíssima preocupação com o corpo. Em vez de uma empreendedora, dona de uma livraria de novos e usados, que tivesse serviços ocasionais só para não levantar suspeitas. E, claro, em vez de um gato de estimação, que ou não tivesse pet algum, ou que tivesse, por exemplo, um aquário sujo com peixes mortos dentro.

Embora isso não resolvesse o problema de ela dizer, do nada, que “está cansada e quer paz”, pelo menos resolveria o problema de explicar que tipo de “paz” é essa, como também fortaleceria ainda mais o relacionamento entre ela e Moody, fazendo com que o presente da livraria fosse uma demonstração de que ele realmente se importa muito com ela, mas não só isso. Demonstraria inclusive, que mesmo com todos os seus esforços, Moody nunca conseguiu salvar aquela menina vietnamita de si mesma. Isso teria feito A PROFISSIONAL fechar com chave de ouro.

A-PROFISSIONAL-CRITICA-MAGGIE-Q-LEPOP

VEREDITO

Envolvente, corajoso e tocante, A PROFISSIONAL é um filme que vale o ingresso, pois entrega uma história bonita sobre amizade, vingança e redenção.

Embora com alguns problemas básicos de Storytelling, A PROFISSIONAL garante uma diversão muito boa, sendo uma ótima pedida de escapismo para quem está buscando algo na combinação dos gêneros de Drama e Ação.

Vale destacar, novamente, a coragem de trazer ao protagonismo uma personagem que não tem medo ou vergonha de sua feminilidade.

Infelizmente, os deslizes narrativos de A PROFISSIONAL fazem com que a experiência do espectador não seja ainda melhor. Contudo, definitivamente, este é filme que merece atenção.

A PROFISSIONAL já está em cartaz nos cinemas nacionais. Não deixe de conferir.

FICHA TÉCNICA

Título Original: The Protégé
Lançamento: 11 de novembro de 2021
Distribuição: Imagem Filmes
Direção: Martin Campbell
Roteiro: Richard Wenk
Trilha Sonora: Photek
Edição: Angela M. Catanzaro
Cinematografia: David Tattersall

Elenco: Maggie Q, Samuel L. Jackson, Michael Keaton, David Rintoul, Patrick Malahide, Ray Fearon, Ori Pfeffer, Robert Patrick, Florin Piersic Jr, Tudor Chirila, Velizar Binev, George Pistereanu, Eva Nguyen Thorsen, Alexandru Bordea, Tanja Keller, Sara Maria Groseanu, Alina Wang, Taj Atwal, Caroline Loncq, Gamba Cole, Phong Giang, Richenda Carey, Dimitar Nikolov, Aida Economu, Madalina Anea, David Sterne, Jack Derges, Stefan Ivanov, Lili Rich, Kent Sherwood, Ekaterina Baker, Temirkhan Tursungaliyev, Cosmin Dominte, Carmen Palcu, Kiante Elam, Duk Minh Than, Don Michael Paul, Chunsheng He, Tiechen Zhang, Miylin Georgieva Noveva, Hai Anh Kong Vu, Marc Jenner, Dorin Zaharia, Florin Zhang

Trailer:

A Profissional | Trailer Dublado | Hoje nos Cinemas

Como sempre enfatizamos: no final das contas, indiferente de críticas e de críticos, o que realmente importa é se VOCÊ gostou ou não da obra.

E já que você gosta de cinema e séries:

Aproveite também pra ler outras críticas.


Siga o LEPOP nas redes sociais: Facebook | Twitter | YouTube | InstagramTelegram

Curtiu? Então, compartilhe com seus amigos. Fala da gente pra mais gente. Isso nos ajuda bastante; e se você gostou, muito provavelmente conhece uma galera que também vá gostar.

Se você é novo(a) por aqui, aproveite pra conhecer mais do LEPOP:
Gosta de Contos e Literatura? Então conheça o CRONICANDO
Gosta de Games? Então dê uma conferida no LEPOPGAMES e no QUICK MATCH
Gosta de Podcast? Então ouça o LEPOPCAST.
Gosta de Action Figures? Então acompanhe o LEPOP ACTION REVIEW.
Agora, se quer ouvir a gente opinando, reclamando e palpitando, então o LEPOPBOX é o que você procura.

TODAS AS NOSSAS REDES SOCIAIS ESTÃO AQUI

Muito obrigado e até a próxima.


LLeo Favaretto

Formado em Gestão em TI, apaixonado por bodybuilding, cultura pop e economia. Gosta de escrever sobre os mais variados temas. Tem planos de lançar uma saga medieval que já vem escrevendo há algum tempo, enquanto se diverte tecendo contos de ação, suspense e terror. Adora podcasts, cinema e vê no mundo das histórias uma das mais fantásticas formas de expressar toda a criatividade humana.