Le|Pop
daymare-1998

DAYMARE 1998 | QUICK MATCH

QUICK MATCH na área aqui no LEPOP trazendo uma breve análise daquele game que já está entre nós há algum tempo ou nem tanto assim, mas ainda é assunto nas conversas da galera que é fã, e para você que precisa de uma informação rápida sem muita enrolação, este é o lugar certo.
Curtiu? Então bora lá, porque hoje temos Daymare 1998!

FICHA TÉCNICA

Título: Daymare 1998
Lançamento: 17/09/2019 (PC) – 28/04/2020 (Xbox One, PS4)
Desenvolvedora: Invander Studios/Slipgate Ironworks
Estúdios: Destructive Creations, All In Games

daymare-1998

DAYMARE 1998

O game era pra ser chamado de Resident Evil 2 Reborn já que até então a Capcom não se manifestava ou esboçava qualquer vontade de atender os anseios dos fãs e trazer de volta RE2, mas é aquilo, quando a água começa a bater na bun… Os caras se mexeram. Pois é meus caros, Resident Evil 2 Reborn estava ganhando forma e a dona Capcom resolveu pedir gentilmente para que a galera da Invader Studios parasse com o desenvolvimento em troca, os caras
foram convidados a visitar a empresa no Japão, acompanharam alguma coisa do desenvolvimento de RE2 REMAKE e deram um feedback sobre o trabalho que desenvolviam.

Obviamente que deve ser muito decepcionante parar um projeto no meio do caminho, mas ao contrário do que algumas desenvolvedoras fizeram, a Capcom pelo menos foi mais amigável,
dando a oportunidade para que a galera da Invader Studios além conhecer a empresa, fossem devidamente apoiados. Resident Evil 2 Reborn deu lugar ao Daymare 1998 e apesar da semelhança na trama, no estilo de jogo, o game da Invader Studios deu uma escorregada.

Daymare 1998 não é ruim, mas está bem longe de ser um jogo excelente, o game apresenta uma jogabilidade um pouco engessada e as falhas de sincronia entre áudio e imagem brocham quem vem na vontade de jogar.

Daymare-1998-2-LEPOP

TRAMA

De início, começamos com o agente Liev da equipe H.A.D.E.S (Hexacore Advanced Division for Extraction and Search). O agente deve se infiltrar em um complexo da Hexacore e extrair uma carga que contém um vírus altamente mutável e infeccioso do local. Após a extração, os membros da equipe se traem causando um acidente aéreo, fazendo com que a pacata cidade nos arredores do complexo seja contaminada pelo vírus, transformando quase todos em zumbi. O game conta com mais dois protagonistas que precisam sobreviver ao vírus que se espalhou.

TRAILER

Daymare 1998 - Official Launch Gameplay Trailer

O JOGO

O jogo basicamente é um Resident Evil na essência, tem uns puzzles ali, uns zumbis aqui, mas graficamente é doído. As semelhanças com o game da Capcom terminam quando
se começa a jogar, o game dá a impressão que foi feito as pressas, as cenas em CG demoram a carregar e sofrem atrasos gerando falta de sincronismo do áudio com a imagem, a falta de sincronia também acontece várias vezes durante o jogo e meu amigo, ouvir o tiro depois de alguns segundos após a ação é triste, é de doer.

JOGABILIDADE

Essa é um quesito que não é ruim, correr, atirar, tá de boa. O problema mesmo é para carregar as armas, isso sim é um sofrimento, não é só combinar a munição com a arma e tá tudo certo, no game você precisa selecionar a munição, selecionar a opção combinar (depois de sacar que você precisa mover para cima ou para baixo), selecionar o pente, daí é só combinar, mas não termina aqui, porque para carregar a arma é necessário dar outro comando para ir na parte das armas e combinar a munição. Imagina fazer isso na hora da loucura, não dá né?

Dá para fazer a recarga de forma mais rápida? Dá, mas mesmo assim você precisa deixar os pentes carregados, o pente vazio é descartado e substituído, depois da correria, pegue o pente de volta, porque lembre-se, precisaremos dele depois. Mesmo que você não tenha dificuldade para correr e atirar, o personagem é lento e não tem muita mobilidade, parece que estamos controlando um pedaço de tijolo, sei lá…

invader-studios-LEPOP-3
Galera do estúdio italiano Invader Studios visitando a Capcom

GRÁFICOS

Esse é um ponto que as vezes me leva a crer estar jogando um game de PS2 melhorado, o game foi desenvolvido na Unreal Engine 4, até aí sem problemas, mas conforme avançamos no game, percebemos que faltou polimento, texturas que não carregam, queda de frame a rodo, o game é muito escuro (dá para aliviar isso nas configurações), o rostos dos personagens que são beeeem genéricos e a sensação de que foi tudo feito nas pressas, fica claro.

PATCH DE CORREÇÃO

No vídeo eu comento de forma cagada (mas comento pelo menos), sobre um patch de correção que foi anunciado no perfil do Facebook da Invader Studio e que deve chegar em breve para os consoles, abaixo relacionamos o que deve vir por aí :

  • Os personagens se movem mais rápido
  • Carregamento de armas facilitado (a atualização retira a opção de manusear os pentes, características que gerou muitas críticas ao jogo.)
  • Opção de pular os puzzles
  • Dois novos mapas para H.A.D.E.S
  • E muito mais opções a serem anunciada em breve.

Comentando de forma rápida o patch, a única coisa que não concordo é a opção de pular puzzles, de forma alguma puzzles atrapalham o jogo, pelo contrário, ele deixa o game mais desafiador, dar a opção de pular um puzzle não é nenhuma correção é de fato torná-lo mais fácil. Embora não tenha sido citadas as correções de bugs (isso fica aberto no ultimo item), acredito ser um ponto a ser tratado também.

GAMEPLAY

DAYMARE: 1998 | QUICK MATCH

CONCLUINDO

Há alguns pontos que precisamos relatar aqui, em relação ao game no PC, fomos atrás de como está o desempenho do game nesta plataforma e há uma melhora muito boa os problemas de sincronia (imagem e áudio) não existem, os gráficos estão melhores, mas o game ainda continua muito escuro, aqui é válido frisar que existem também meios não oficiais de melhorar os games no PC, contudo a produtora vem dando muito suporte ao game.

Nos consoles, usei a primeira versão do Xbox One, tirando o fato que em um Xbox One X graficamente deve haver melhorias consideráveis, os bugs estão lá. Seja qual for o console usado Xbox ou PS4, infelizmente precisaremos aguardar as correções, o game não é “injogável” por conta dos bugs, mas frustra um pouco a experiência. Pegá-lo na forma digital passa a ser um bom negócio já que é mais barato, e mídia física aqui no Brasil até o momento, só com quem está trazendo lá de fora mesmo e o valor é bem alto. Se você é daqueles que pretende jogar, mas prefere aguardar, vai acompanhando as atualizações no perfil no Facebook da produtora e quando tiver a oportunidade, vá em frente.

Daymare 1998 é um game que deveria esperar um pouco mais para ser lançado, mas já que saiu, agora é aguardar as correções e ver o que vem pela frente.

Siga o LEPOP nas redes sociais: Facebook | Twitter | YouTube | Instagram | Telegram

Se você é novo(a) por aqui, aproveite pra conhecer mais do LEPOP:
Gosta de Contos e Literatura? Então conheça o CRONICANDO
Gosta de Games? Então dê uma conferida no LEPOPGAMES e no QUICK MATCH
Gosta de Podcast? Então ouça o LEPOPCAST.
Gosta de Action Figures? Então acompanhe o LEPOP ACTION REVIEW.
Agora, se quer ouvir a gente opinando, reclamando e palpitando, então o LEPOPBOX é o que você procura.

Se depois de tudo isso você viu que vale a pena acompanhar o nosso trabalho, se inscreve lá no nosso canal do YouTube, dá uma curtida na nossa página no Facebook, segue a gente no Instagram e no Twitter. Assim você fica por dentro de todas as novidades daqui do LEPOP. E pra não perder nenhuma notificação você pode entrar no nosso canal no Telegram.


Carlo Barbagalo

Formado em análise e desenvolvimento de sistemas e Educação física, gosta de musculação e artes marciais. Atualmente está focado em seu desenvolvimento pessoal e nas horas vagas coleciona figuras de ação de tokusatsus, curte games, cinema e séries.