Le|Pop
Justiceiro-Segunda-Temporada-Critica-Banner-lepop

JUSTICEIRO – SEGUNDA TEMPORADA | CRÍTICA

A Segunda Temporada de JUSTICEIRO estreou recentemente na Netflix, dando continuidade à história de Frank Castle, que teve sua primeira temporada nem tão envolvente assim.

Repleta de altos e baixos (mais baixos do que altos), a Primeira Temporada de JUSTICEIRO não agradou muito aos fãs das HQs, entretanto teve certo apreço ao público que foi apresentado ao personagem por sua participação na trama da Segunda Temporada de DEMOLIDOR – mesmo sendo uma versão completamente diferente do que se viu ao lado do demônio de Hell’s Kitchen.

Justiceiro-Segunda-Temporada-Critica-Frank-Castle-Rua-lepop

Já a Segunda Temporada está tendo um efeito reverso no que foi descrito no parágrafo anterior. E é exatamente o que será abordado neste texto.

Antes de seguir com a crítica é preciso fazer um disclaimer sobre a ausência de críticas às séries da Marvel na Netflix aqui no LEPOP:

Como um site pequeno, nem sempre conseguimos cobrir uma boa quantia de séries ou filmes. E mesmo que até seja certa preferência nossa lançar algumas críticas mais detalhadas após algum tempo da estreia do filme ou da série, há ocasiões em que o fator timing é realmente importante e pra certos conteúdos, quando se perde o timing é literalmente investir em tempo perdido se dedicar a um texto ou mesmo vídeo a respeito. Infelizmente. Contudo, pretendo fazer um compilado sobre as séries dos heróis da Marvel na Netflix dando um overview sobre seus pontos altos e baixos, além de detalhar alguns pormenores, ok?

Justiceiro-Segunda-Temporada-Critica-Frank-Castle-Russo-Academia-lepop

Voltando à crítica: Vale ressaltar que o texto a seguir não contém quantidade significativa de spoilers.

Isto dito, bora lá!

Justiceiro-Segunda-Temporada-Critica-Billy-Russo-lepop

FAÇA O QUE TIVER DE FAZER

FRANK CASTLE está de volta, e dessa vez mais próximo do que foi visto na Segunda Temporada de DEMOLIDOR, onde teve sua estreia não oficial no universo da Marvel Studios na gigante de streaming mundial, a Netflix. Lá vimos um Castle disposto a pagar qualquer preço para acabar com a vida de criminosos, mesmo que tivesse de dar a própria vida para isso.

A aceitação do público foi tão positiva ao personagem que Marvel e Netflix trataram de anunciar uma série exclusiva do ex-fuzileiro. E assim foi… Só que o JUSTICEIRO apresentado em sua Primeira Temporada já não era tão visceral como o introduzido em DEMOLIDOR, mesmo ocorrendo após os acontecimentos de Hell’s Kitchen. Aquele Castle que até então estava “com o dedo coçando pra matar vagabundo”, passou a se preocupar menos com a máfia e mais com políticos. E pior, passou a ter medo. O Castle que tinha a morte violenta da família como combustível para caçar e punir criminosos passou a ter a perda da família como motivo para tentar restaurar as famílias de pessoas que cruzavam seu caminho ao decorrer da série. O Frank Castle que chegou a matar uma ala inteira de criminoso na cadeia, apenas para ficar cara a cara com o Rei do Crime, passou a poupar – ora ou outra – um criminoso ou outro, dependendo do humor do roteirista do capítulo em questão na Primeira Temporada – e sim, isso volta a acontecer nessa Segunda Temporada também.

Muito embora a Primeira Temporada tenha ótimas cenas de ação e alguns bons momentos de drama muito bem dirigidos, essas mudanças estruturais no personagem de Frank Castle causaram incômodo.

Na Segunda Temporada, porém, acompanhamos um Frank Castle que está mais próximo do que foi visto em sua aparição em DEMOLIDOR, mesmo ainda carregando muito dos problemas da temporada anterior.

Justiceiro-Segunda-Temporada-Critica-Frank-Castle-Bar-lepop

Nessa Temporada 2 vemos um Castle que aproveita a oportunidade previamente concedida pela CIA de agora ter uma nova vida, uma nova identidade, ficha completamente limpa, e tenta reconstruir sua vida como pode, sempre se mudando. Mas é no interior do Michigan que sua “nova vida” dá lugar ao combatente adormecido que gritava para voltar à tona.

Frank resolve se meter em uma briga de bar entre uma garota e um grupo de mercenários altamente treinados que querem capturá-la. É aí que nos deparamos com o Frank Castle que sente prazer em estar em uma briga. O Frank Castle que deveria estar na Primeira Temporada de JUSTICEIRO.

O instinto de Castle não o engana. Salvar aquela garota significava entrar em problemas realmente grandes, envolvendo um escândalo político armado contra um senador de Nova York, a máfia russa, um grupo neonazista, e uma organização política que tem como cão de caça um devoto religioso, concomitantemente Billy Russo acorda de seu coma após o embate com Caslte ao final da Primeira Temporada e isso põe à prova a sanidade da agente especial Dinah Madani.

Justiceiro-Segunda-Temporada-Critica-Dinah-Madani-Bebida-lepop

-- OLHA… EU TE DEI A INFORMAÇÃO. VOCÊ PROMETEU DEIXAR EU IR.

-- ISSO NÃO É VERDADE. EU PROMETI TE DEIXAR EM PAZ.

A trama decorre de maneira linear e bastante consistente. São poucas as ocasiões onde se tem furos de roteiro ou motivações insignificantes. De maneira geral, essa Segunda Temporada de JUSTICEIRO está muito melhor elaborada que a anterior.

Frank Castle volta a ser mais visceral, não tanto quanto em DEMOLIDOR, é verdade, mas ainda assim está mais próximo do que foi visto ali. E Jon Bernthal simplesmente tem momentos de atuações espetaculares, desde cenas de ação a diálogos pesados, densos, onde é possível sentir na pele toda angústia e dor que seu personagem vivencia nessas cenas. É realmente um show a parte.

A relação de Castle com Amy Bendix, a garota salva no bar em Michigan, é bem explorada ao longo da série, muito embora comece sem pé nem cabeça. Mas ao longo da trama esse detalhe inicial se torna “aceitável” e a interação entre ambos passa a ter uma dinâmica muito boa.

Giorgia Whigham, que dá vida a Amy Bendix, protagoniza momentos chave no decorrer da temporada. Sua personagem é sagaz, atenta, raciocínio muito rápido e excelente lábia. Justamente o que se espera de uma sobrevivente. E a parceria entre Bendix e Castle é tão boa que você chega a desejar que isso perdure por mais temporadas – o que já sabemos que não vai acontecer dado andamento das negociações entre Marvel e Netflix, embora a esperança seja a última a morrer…

Justiceiro-Segunda-Temporada-Critica-Frank-Castle-Amy-Bendix-lepop

ACHO QUE A SUA FÉ É FORTE O BASTANTE PRA SUPERAR QUALQUER TEMPESTADE.

Ainda falando de personagens, não se pode deixar de destacar as ótimas atuações de Amber Rose Revah (Dinah Madani), Ben Barnes (Billy Russo), Jason R. Moore (Curtis Hoyle), Floriana Lima (Dra. Krista Dumont), Josh Stewart (John Pilgrim), Royce Johnson (Sgt Brett Mahoney) e Deborah Ann Woll (Karen Page).

Dinah Madani, vivida por Amber Rose Revah, tenta reerguer sua autoconfiança após recuperação dos acontecimentos da temporada anterior. Mas vem também apresentando comportamento obsessivo por Billy Russo, não apenas querendo vê-lo pagar pelo que fez, mas por querer vê-lo sofrer.

É interessante a forma como Amber dá vida aos dilemas de Madani e de como sutilmente a faz oscilar entre concordar com os métodos de Castle e instantes depois os condenar, num conflito interno entre justiça e vingança muito bem pontuado em dados momentos.

Billy Russo, interpretado por Ben Barnes, acorda do coma, mas apresenta amnésia. Tudo que consegue lembrar é que foi um oficial do corpo de fuzileiros, já teve muito dinheiro, e que Frank Castle é seu melhor amigo. Russo não está desfigurado como se esperava após a luta com Castle no final da primeira temporada. Na verdade, Russo ficou com algumas cicatrizes no rosto, que em vez de deixá-lo com cara do vilão RETALHO, o deixar com ar de fodão.

À medida que Russo luta para lembrar quem era passa a se ver cada vez menos como “mocinho”, gostar disso e tirar vantagem de seu lado persuasivo, mas tem na Dra. Krista Dumont, sua psicoterapeuta, não só uma esperança de melhora, mas também de aliança.

Justiceiro-Segunda-Temporada-Critica-Retalho-Assalto-lepop

Krista Dumont, vivida por Floriana Lima, também é uma sobrevivente. Quando criança sofreu um acidente grave que lhe causou sérias sequelas, das quais ainda luta para superar. E ao ver a forma como Russo lida com seus problemas se percebe intrigada, tentada em fazer o que for preciso para ajudá-lo ao mesmo tempo em que passa a ter um interesse pessoal por seu paciente.

Floriana Lima traz para a Dra. Dumont um ar de tristeza, esperança e curiosidade que concomitantemente é tocante e verossímil, o que eleva a personagem de maneira brilhante.

John Pilgrim, interpretado por Josh Stewart, a meu ver é o ponto alto da série. Definitivamente a melhor escolha para esse papel. Embora lembre muito sua atuação na segunda e terceira temporada de O ATIRADOR, Stewart consegue fazer Pilgrim dar medo de uma maneira que os vilões dos filmes e séries atuais, em sua maioria, não conseguem. A presença de Pilgrim, seus diálogos, sua forma de agir, tudo o que diz respeito a sua atuação se dá com muita fluidez.

John Pilgrim é um ex-membro de um grupo neonazista nova yorkino que quis mudar de vida ao conhecer sua esposa, mas acabou como cão de caça de uma organização política escusa que se esconde atrás da bíblia e usa a fé alheia para se alastrar. O casal que encabeça a organização é quem cuida da saúde da esposa de Pilgrim, bancando todo seu tratamento e educação de seus dois filhos. Em troca, Pilgrim precisa eliminar qualquer pessoa que se coloque no caminho da organização e dos políticos que ela protege.

A atuação de Stewart é o ponto alto desse personagem. É visível em seus olhos o cansaço de uma vida de matança e a frustração do fracasso da mudança.

Já quanto aos demais personagens da trama é muito difícil descrevê-los sem dar grandes spoilers. Por isso fica o convite para que você assista. Não vai se arrepender, mesmo vendo Castle poupar a vida de alguns criminosos.

Justiceiro-Segunda-Temporada-Critica-Karen-Page-Dinah-Madani-lepop

NÃO É UMA ARMADILHA SE VOCÊ JÁ SABE O QUE ESPERAR

A Segunda Temporada de JUTICEIRO tem momentos muito bons de tensão, drama, ação… Tudo muito bem dosado se comparado com a primeira.

Ótimas atuações, personagens com motivações convincentes, boa cinematografia, ótimas cenas de ação, dramas tangíveis, história consistente, mas com um final não muito empolgante. Ainda assim é um final funcional para a proposta da temporada. Poderia ser melhor? Poderia, mas funcionou da mesma forma.

Outro detalhe que deve ser elogiado também é o som. É bem verdade que as séries da Marvel na Netflix têm excelente qualidade de áudio, mas, verdade seja dita, a Primeira Temporada de JUTICEIRO apresentou problemas em alguns diálogos e ambiências. Nada alarmante como visto em O MECANISMO, mas ainda assim tais problemas existem e estão lá.

De modo geral, esta Segunda Temporada de JUTICEIRO é muito melhor do que a anterior e consegue manter o crescendo de forma mais intensa a cada episódio, coisa rara na Primeira Temporada.

Justiceiro-Segunda-Temporada-Critica-John-Pilgrim-Interrogatorio-lepop

VEREDITO

Mesmo não tendo um Castle tão implacável com certos tipos de criminosos como se esperaria do verdadeiro JUTICEIRO, ainda assim essa Segunda Temporada foi muito superior a primeira.

Enquanto na anterior mal se estabelecia o ritmo da trama, a segunda é dinâmica, envolvente; enquanto a primeira apresenta um Frank Castle encoleirado, a segunda até o deixa sair da coleira algumas vezes.

Resta saber quais os próximos capítulos das negociações entre Marvel Studios e Netflix pra saber se chegaremos a ter uma Terceira Temporada de JUSTICEIRO ou não.

Independente disso fica o convite para você assista essa nova temporada de JUSTICEIRO e veja a evolução do personagem e dos que compõe a história a sua volta. Vale muito a pena.

FICHA TÉCNICA

Título Original: The Punisher
Lançamento: 18 de janeiro de 2019
Diretores: Jim O’Hanlon, Jeremy Webb, Jet Wilkinson, Jamie M. Dagg, Alex Garcia Lopez, Stephen Kay, Iain B. MacDonald, Meera Menon, Michael Offer, Stacie Passon, Salli Richardson-Whitflield

Roteiristas: Ross Andru, Gerry Conway, Ken Kristensen, Angela LaManna, Steve Lightfoot, John Romita Sr., Dario Scardapane, Felicia D. Henderson, Christiane Boylan, Bruce Marshall Romans, Laura Jean Leal

Justiceiro é uma criação de Gerry Conway, Ross Andru, John Romita Sr. e Stan Lee.

Elenco: Jon Bernthal, Amber Rose Revah, Ben Barnes, Jason r. Moore, Floriana Lima, Josh Stewart, Giorgia Whigham, Royce Johnson, Tony Plana, Samuel Gomez, Deborah Ann Woll, Mary Elizabeth Mastrantonio, Corbin Bernsen, Jordan Dean, Annette O’Toole, Jimi Stanton, Brett Bartholomew, Todd Alan Crain, Teri Reeves, Allie McCulloch, Charles Brice, Jeb Kreager, Henry Boshart, Zell Steele Morrow, Alexa Davalos, Kevin Chapman, Derek Goh, Rob Morgan, Joe Holt, Brandon Gill, Manny Ureña, Michael Pemberton, Jamie Ann Romero, Brett Diggs, Rudy Eisenzopf, Kara Young, Ramona Floyd, Justin Michael Woods, Jagger Nelson, Johnny Pozzi, Alexander Notkin, Thmas G. Waites, Eboni Booth, Nick Low, Avery Mason, Joseph D. Reitman, Peter Albrink, E. J. Carroll, Mike Figueroa, Kate Rigg, Anthony Ruiz, Brendan Ryan, D.C. Williams, Diego Aguirre, Adrian Alvarado, Ted Koch, Preston Christopher Lawrence, Kareem Savinon, Dikran Tulaine, Ilia Volok, Cecelia Antoinette, Daniel Frith, Shevy Gutierrez, Bianca LaVerne Jones, Lucas Kane, Derek Roberts, Ashley August, Jefrey Bradant, Brian Adam DeJesus, Gene Gillette, Tabitha Holbert, Daniel Tirado, Christopher Akpobiyeri, Kym Gomes, Reagan Grella, Robert J. Hawk.

Trailer:

Marvel - O Justiceiro: Temporada 2 | Trailer oficial [HD] | Netflix

Como sempre enfatizamos: No final das contas, indiferente de críticas e de críticos, o que realmente importa é se VOCÊ gostou ou não da série. Então, conta pra gente o que você achou aí nos comentários.

E aí, curtiu? Então compartilhe com geral e mostre o LEPOP pra mais gente.

Acompanhe mais do LEPOP:
Gosta de Contos e Literatura? Então conheça o CRONICANDO
Gosta de Games? Então dê uma conferida no LEPOPGAMES e no QUICK MATCH
Gosta de Podcast? Então ouça o LEPOPCAST.
Gosta de Action Figures? Então acompanhe o LEPOP ACTION REVIEW.

E aproveite pra se inscrever em nosso canal do YouTube, curtir nossa página no Facebook, seguir a gente no Instagram, no Twitter. Assim você fica por dentro de todas as novidades.

Aproveite também pra ler outras das nossas críticas.


Luiz Leonardo Favaretto

Formado em Gestão em TI, apaixonado por bodybuilding, cultura pop e economia. Gosta de escrever sobre os mais variados temas. Tem planos de lançar uma saga medieval que já vem escrevendo há algum tempo, enquanto se diverte tecendo contos de ação, suspense e terror. Adora podcasts, cinema e vê no mundo das histórias uma das mais fantásticas formas de expressar toda a criatividade humana.