Le|Pop
SETE-ANOS-EM-MAIO-BANNER-LEPOP

VAGA CARNE E SETE ANOS EM MAIO TERÃO SESSÃO GRATUITA EM SÃO PAULO

2 EM 1: MÉDIAS-METRAGENS DOS DIRETORES GRACE PASSÔ, RICARDO ALVES JR. E AFFONSO UCHÔA COMPORÃO UMA SESSÃO ÚNICA NOS CINEMAS A PARTIR DE 19 DE MARÇO

VAGA-CARNE-POSTER-LEPOP

VAGA CARNE e SETE ANOS EM MAIO que comporão uma sessão única nos cinemas, terão sessão especial de lançamento na próxima quinta-feira, dia 19 de janeiro, 19h30, no Cinesesc, em São Paulo. A sessão gratuita será seguida de debate com os realizadores Grace Passô e Affonso Uchôa. Os ingressos podem ser retirados na bilheteria do cinema.

Dois médias-metragens com passagens por festivais no Brasil e exterior, estreiam em sessão conjunta em 19 de março. Dirigido pela atriz Grace Passô, ao lado de Ricardo Alves Jr, VAGA CARNE é uma transcriação para as telas do monólogo teatral homônimo, também interpretado por Passô. O filme foi o escolhido para a sessão de abertura da 22a Mostra de Cinema de Tiradentes e esteve na programação da 70a edição do Festival de Berlim, realizada em fevereiro, na Alemanha.

Compondo a sessão está também SETE ANOS EM MAIO, de Affonso Uchôa (codiretor de Arábia), que foi selecionado para quase 40 festivais pelo mundo e ganhou prêmios em 13 deles, como o Visions Du Réel (filme mais inovador), FilmAdrid, IndieLisboa, Festival do Rio, FestCurtas BH, Janela Internacional de Cinema do Recife e Olhar de Cinema de Curitiba; além de ter feito parte da seleção oficial da Viennale, do festival de Toronto e da 43a Mostra Internacional de Cinema em São Paulo. O filme foi escolhido ainda o melhor “Curta ou média-metragem” de 2019, segundo a ABRACCINE -- Associação Brasileira de Críticos de Cinema.

Em VAGA CARNE, uma mulher (Grace Passô), sem saber como se mover no mundo tem o corpo invadido por uma voz. Tentando refletir sobre esse corpo, a voz ensaia como movê lo.

SETE ANOS EM MAIO conta a história de Rafael, que há sete anos chegava em casa numa noite após o trabalho e se deparou com desconhecidos que o procuravam. Naquele momento, ele saiu carregado de sua casa e nunca mais voltou. Sua vida também nunca mais voltou a ser a mesma.

Confira o trailer abaixo:

trailer - Vaga Carne + Sete Anos em Maio

A distribuição no Brasil desta sessão dupla nos cinemas, que totaliza 86 minutos, é da Embaúba Filmes, distribuidora sediada em Belo Horizonte, dirigida por Daniel Queiroz, que realiza uma seleção criteriosa, buscando obras para distribuição que considera fundamentais no cenário contemporâneo brasileiro mas que, por vezes, enfrentam dificuldades para chegar a um público mais amplo.

VAGA CARNE e SETE ANOS EM MAIO, são dois filmes de extrema relevância no cenário brasileiro atual, mas de circuito restrito, por terem uma duração que não é exibida em circuito comercial de forma usual. “Os médias-metragens geralmente tem dificuldade para serem exibidos até mesmo nos festivais de cinema. Estes dois filmes, além de serem produzidos por importantes artistas da cena mineira, possuem diversos pontos de diálogo e me pareceu que a reunião dos dois, numa mesma sessão, faria muito sentido, para além de permitir a estreia comercial, em salas de cinema.”, explica Daniel Queiroz.

VAGA-CARNE-IMAGEM-2-LEPOP

SOBRE VAGA CARNE

O filme é uma transcriação cinematográfica da peça teatral com mesmo nome (vencedora de varios prêmios, dentre eles o Prêmio Shell RJ, Prêmio Questão de Crítica, Prêmio Leda Maria Martins, Prêmio Cesgranrio). “Este ‘desejo de cinema’, esse movimento de articulação de uma linguagem à outra é o que movimenta essa construção”, diz Grace Passô.

Os diretores Ricardo Alves Jr. e Grace Passô são parceiros antigos no cinema e no teatro. Juntos já dirigiram peças teatrais e, no cinema, Grace atuou em “Elon Não Acredita na Morte”, dirigido por Ricardo. A ficha técnica é também formada por parceiros de trabalho de ambos. “Um trabalho artístico é sempre um movimento que se relaciona com trabalhos anteriores e os parceiros viabilizam esse movimento criativo”, diz Grace

A produção tem uma abrangente questão social dentro do atual contexto brasileiro, com termos e ideias que rondam as reflexões sobre a nossa sociedade. Para a diretora, “São questões fundamentais e bem antigas, mas que atualmente têm sido pautadas em grupos que não as refletiam antes. A noção de identidade é uma delas e no filme o desejo de uma mulher por encontrar suas identificações sociais não é só afirmativo, cheio de certezas e forte, como alguns querem crer. O desejo de nomear-se é essencial, não é sequer uma escolha e, portanto, o olhar político para si mesma é uma necessidade de sobrevivência: existencial e social”. 

As várias linguagens que o texto possibilita é um dos grandes destaques da história, para Ricardo Alves Jr. “O movimento de articulação de uma linguagem a outra é o que torna essa construção interessante. O texto da peça também foi publicado, pela editora Javali. Portanto, VAGA CARNE transita entre três linguagens, a literatura, teatro e o cinema”.

VAGA-CARNE-IMAGEM-LEPOP

OS DIRETORES

Grace Passô, nascida em 1980 em Belo Horizonte, é diretora, dramaturga e atriz. Trabalha em parceria com artistas e companhias de teatro. Como dramaturga, seus textos foram publicados em francês, espanhol, mandarim, inglês e polonês. Por suas realizações em atuação – tanto no teatro quanto no cinema – a artista recebeu vários prêmios.

Ricardo Alves Jr., nascido em 1982 em Belo Horizonte, é cineasta, produtor e diretor de teatro que começou dirigindo curtas-metragens que foram exibidos e ganharam prêmios em vários festivais internacionais, entre eles Semana da Crítica do festival de CannesBerlinaleLocarno e Rotterdam. Estreou no cinema em 2016 com Elon Não Acredita na Morte, exibido em festivais no BrasilAmérica LatinaChina e Europa. Ele é produtor de Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos, que já foi exibido em mais de 30 festivais ao redor do mundo e ganhador do prêmio especial de júri da mostra Un Certain Regard, do Festival de Cannes 2018

SETE-ANOS-EM-MAIO-IMAGEM-LEPOP

SOBRE SETE ANOS EM MAIO

Criado como um ensaio sobre as formas do cinema representar um acontecimento trágico, o filme, rodado entre 2017 e 2018, transita entre diferentes abordagens da linguagem cinematográfica para contar a história da noite em que Rafael dos Santos Rocha foi barbaramente torturado pela polícia. A narrativa parte desde o mais claro “documental”, passando pela fabulação e alegoria. “Nesse processo, o filme conecta a história de Rafael com a história do Brasil, construindo uma ponte entre o particular e o coletivo, contando a história de um jovem de periferia violentado pela polícia como a história de uma multidão”, diz o diretor Affonso Uchôa.

O filme começou com o desejo de Uchoa em contar a história de Rafael e daquela noite em maio. Imediatamente a partir daí, a questão de como filmar essa história se colocou, pois “É uma história forte, simbólica, representativa do país em que vivemos. E por isso mesmo, de potencial emotivo e perigosa em se colocar na tela. Eu busquei fazer da linguagem um fator claramente ativo na representação dessa história, para evitar fazer do cinema mero instrumento de registro”, diz o diretor, que na montagem do filme atingiu o ponto de junção entre linguagem e acontecimento, completando a narrativa: “Acho que em filmes como o SETE ANOS EM MAIO, que se abrem a um método menos rígido e em contato direto com o real, o filme é o que sobrevive ao seu processo, como um depósito de experiência, de vivência.”, completa. 

Affonso destaca também a importante parceria com o personagem principal de sua história, Rafael dos Santos Rocha, amigo e vizinho de bairro Nacional, em Contagem. “Eu conheço Rafael desde 2005 e quando soube o que tinha acontecido, pensei em fazer um filme com ele que tratasse do que aconteceu com ele de alguma maneira”. 

Rafael é o que se convencionou de chamar de “ator não profissional”, assim como os atores dos filmes anteriores de Uchôa, como “Vizinhança do Tigre”. Para o diretor, “Rafael forçava a eu me deslocar um pouco: o filme nasceu de uma história pessoal e violenta vivida por ele. Era como trafegar pelas cicatrizes de alguém: é um processo delicado, que exige muito cuidado e cumplicidade. Foi preciso entender que o processo de criação desse filme teria que ter muito do Rafael, que ele também participaria criativamente do filme e, ao mesmo tempo, foi preciso entender que toda a linguagem e construção do filme deveria estar a serviço de Rafael e da sua história”. 

Mostrando algo que é tão presente no cotidiano como a violência policial contra os jovens negros e pardos de periferia, o filme torna o espectador observador do uso desmedido da força policial. “No Brasil, o poder policial tem papel chave na manutenção da nossa obscena desigualdade, age como uma barreira de contenção de sonhos e de revoltas, instaurando o medo como regra e a resignação como base da vida social.”, diz Uchôa. A história de Rafael é simbólica da atuação da polícia nas periferias, em como vidas são transformadas através da violência desmedida, sem cuidado com as suas consequências. “O filme é, pra mim, uma maneira de criar justamente essa instância, a consequência. Fazer com que pelo menos no cinema, o que aconteceu naquela noite não morra em si nem no silêncio.”, completa o diretor.


O DIRETOR

Affonso Uchôa é cineasta, nascido em São Paulo em 1984; vive e trabalha em Contagem -MG. Seu primeiro filme, MULHER À TARDE (2010) foi exibido nos festivais Mostra de Tiradentes, Semana dos Realizadores e Festival Internacional do Uruguai, dentre outros. Também dirigiu A VIZINHANÇA DO TIGRE (2014), premiado na Mostra de Tiradentes (2014) e também em outros festivais como Olhar de Cinema e Fronteira. O filme foi exibido internacionalmente nos festivais Hamburgo Filmfest (Alemanha), Lussasdoc (França) e Viennale (Áustria), assim como em importantes instituições como a Cinemateca Francesa (França) e o Anthology Film Archive (EUA). É codiretor de ARÁBIA (2017), que teve sua estreia na competição principal do Festival Internacional de Roterdã (2017) e foi exibido em mais de 60 festivais ao redor do mundo. O filme recebeu cinco prêmios no Festival de Brasília (2017), incluindo o de melhor filme, e também foi premiado nos festivais Indielisboa (Portugal), Golden Apricot (Armênia) e BAFICI (Argentina). “Arábia” também foi eleito o melhor filme de 2018 nas votações da ABRACCINE, APCA, Folha de São Paulo e SESC Melhores Filmes, além de ter sido eleito um dos 100 melhores filmes da década pela International Cinephile Society (ICS). SETE ANOS EM MAIO (2019) é seu mais recente filme. Após a estreia no festival Visions du réel (Suíça), o filme foi exibido em outros festivais como Toronto (Canadá), Viennale (Áustria) e Mar del Plata (Argentina) e outros quase 40 festivais ao redor do mundo. “Sete Anos em Maio” ganhou prêmios nos festivais Indielisboa (Portugal), Filmadrid (Espanha) e Festival do Rio (Brasil), e foi eleito o melhor curta/média de 2019 pela ABRACCINE.


SETE ANOS EM MAIO

Ficção | 2018 | Brasil| Cor | 42 minutos
Direção: Affonso Uchôa
Produção: Camila Bahia, Vasto Mundo, Un Puma
Roteiro: Rafael dos Santos Rocha, Affonso Uchôa, João Dumans
Produção executiva: Camila Bahia, Jerónimo Quevedo, Victoria Marotta
Fotografia: Lucas Barbi
Som: Marcela Santos e Bruno Vasconcelos
Montagem: João Dumans
Direção de produção: Camila Bahia, Jacson Dias
Direção de arte e figurino: Karine Assis
Desenho de som e mixagem: Adrian Rodriguez – Pomeranec Estúdio
Design: Isadora Barcelos
Produtora Associada: Katásia Filmes


VAGA CARNE

Ficção | 2019 | Brasil| Cor | 45 minutos
Direção: Grace Passô, Ricardo Alves Jr.
Roteiro: Grace Passô
Direção de Fotografia: Andrea Capella
Montagem: Gabriel Martins
Música: Barulhista
Desenho de Som: Pedro Durães
Direção de Arte: Grace Passô, Ricardo Alves Jr.
Figurinos: Luiz Dias Simões
Maquiagem: Gabriela Dominguez, Tásia d’Paula
Direção de Produção: Nina Bittencourt
Produção: Grace Passô, Ricardo Alves Jr., Nina Bittencourt, Fernanda Hallak, Raquel Hallak
Produção Executiva: Nina Bittencourt.


SOBRE A EMBAÚBA FILMES

A Embaúba Filmes é uma distribuidora especializada em cinema brasileiro, criada em 2018 e sediada em Belo Horizonte. A empresa é dirigida por Daniel Queiroz, que vem de uma experiência prévia de mais de 10 anos como programador de cinema. Queiroz é um dos coordenadores da Semana de Cinema, que acontece no Rio de Janeiro e trabalhou anteriormente no Cine Humberto Mauro, no Cine 104, no Festival Internacional de Curtas de Belo Horizonte e no Festival de Brasília, dentre outros. A Embaúba possui, em seu catálogo, premiados filmes como Arábia, de Affonso Uchôa e João Dumans, Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de João Salaviza e Renée Nader Messara; Inferninho, de Guto Parente e Pedro Diógenes, No Coração do Mundo, de Gabriel Martins e Maurílio Martins e Os Sonâmbulos, de Tiago Mata Machado. A distribuidora busca se diferenciar pela qualidade dos filmes lançados, apostando em obras de grande relevância cultural e política.


(Texto, Vídeo e Imagens: Divulgação)

DIAMOND FILMS DIVULGA PÔSTER DE ‘MIDWAY - BATALHA EM ALTO MAR’ 2

E aí, curtiu? Então compartilhe com geral e mostre o LEPOP pra mais gente.

Se você é novo(a) por aqui, aproveite pra conhecer mais do LEPOP:
Gosta de Contos e Literatura? Então conheça o CRONICANDO
Gosta de Games? Então dê uma conferida no LEPOPGAMES e no QUICK MATCH
Gosta de Podcast? Então ouça o LEPOPCAST.
Gosta de Action Figures? Então acompanhe o LEPOP ACTION REVIEW.

Se depois de tudo isso você viu que vale a pena acompanhar o nosso trabalho, se inscreve lá no nosso canal do YouTube, dá uma curtida na nossa página no Facebook, segue a gente no Instagram e no Twitter. Assim você fica por dentro de todas as novidades daqui do LEPOP.  E pra não perder nenhuma notificação você pode entrar no nosso canal no Telegram.

E se você gosta de cinema e séries:

Aproveite também pra ler nossas críticas


Nicolas Barreto Maia

Estudante de Educação Física, apaixonado por esportes e games, me aventurando no universo das séries e do cinema.